CLDF realiza, na quinta (13), audiência pública para debater regulamentação de prescrição de medicamentos por enfermeiros

56

Para Vianna, audiência pública deve ressaltar importância dos profissionais de enfermagem

Por Kleber Karpov

A Câmara Legislativa do DF (CLDF) realiza, na quinta-feira (13), às 9h30, audiência pública sobre os impactos da norma que regulamenta os enfermeiros à prescrição de medicamentos, a ser realizado no Plenário da CLDF. De iniciativa do deputado distrital, Jorge Vianna, o evento tem por objetivo, discutir a revogação da Portaria nº  67/2020, Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF), que suspendeu os efeitos da Portaria nº 33/2020. Essa última concedeu, a esses profissionais, a autorização para prescrever remédios e solicitar exames.

Para Vianna, a audiência pública é uma oportunidade para a categoria se manifestar sobre a Portaria nº 33/2020, que autorizou a prescrição de medicamentos e solicitação de exames, por parte dos enfermeiros, a posterior revogação por força da Portaria 67/2020, e o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) nº 90/2020 de autoria do deputado que torna essa última sem efeito.

“É importante que a categoria da enfermagem seja ouvida, que dê opiniões pois tenho certeza que vão poder colaborar imensamente para se chegar a soluções que certamente devem ajudar a garantir a segurança jurídica dos enfermeiros, em relação a prescrição de medicamentos. São atividades que muitos desses profissionais, já fazem no dia-a-dia, em ações específicas na atenção básica de saúde. Sem contar que há protocolos específicos, estabelecidos pelo Ministério da Saúde, que concedem tal permissão.”, ponderou Vianna.

O deputado observa ainda a importância da categoria em relação a manutenção do Sistema Único de Saúde (SUS). “Outro fator importante é a conscientização da importância da categoria da enfermagem para a saúde pública do DF. Em especial, em relação a essa questão de prescrição de medicamentos, em especial na Atenção Primária à Saúde, o que deve beneficiar a população do DF com a redução das superlotações nas unidades de saúde.”, concluiu Vianna.