Nota de Pesar: falecimento da enfermeira Pollyanna Pereira de Moura

649

Foi com imensa tristeza que acompanhei ao longo do dia, o anúncio da morte da enfermeira Pollyanna Pereira de Moura, 35 anos, morta pelo companheiro, nesse caso suspeito de de ser mais um ato de feminicídio no Distrito Federal.

Pollyanna era uma grande amiga, e esteve comigo no gabinete, há poucos meses, onde tratamos de demanda dos enfermeiros forenses.

Segunda, da esquerda para a direita, Pollyanna Pereira, recebidos por Jorge Vianna, junto com representantes do Cofen e Coren-DF defendiam a categoria da Enfermagem Forense – Foto: Wilter Moreira

Não posso deixar de lembrar que ela também esteve entre os guerreiros da saúde que foram, voluntariamente, para Manaus, para ajudar a atender as vítimas do coronavírus.

Pollyanna Pereira com colegas, em defensa dos Enfermeiros – Foto: Divulgação

Assistência psicológica

Embora haja muitas dúvidas sobre o que ocasionou o assassinato de nossa companheira da Enfermagem, por outro profissional de saúde, conclamo que as autoridades possam esclarecer as condições desse crime, o mais urgente possível, bem como alerto a Secretaria de Saúde e ao Governo do Distrito Federal, para que possamos intensificar o suporte e acompanhamento psicológico a todos os profissionais da saúde, em tempos dessa pandemia do coronavírus.

O digo pois são recorrentes, as manifestações e queixas desses profissionais, sobretudo os que atuam na linha de frente, em relação a necessidade de tal suporte.

Aos familiares, amigos e colegas de trabalho, de Pollyanna e do casal, que amanheceram, nesta quinta-feira, com essa tragédia, deixo meus profundos sentimentos.