Jorge Vianna deve buscar manutenção de folgas compensatórias dos servidores da Saúde junto ao governador Ibaneis

105

Iniciativa ocorre após TJDFT decidir pela inconstitucionalidade da Lei que garante benefício aos servidores do SAMU, CAPs e UPAs

Por Kleber Karpov

Na tarde desta terça-feira (17), o Conselho Especial do Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT), considerou inconstitucional a Lei Distrital 6.279/2019, que garante Folgas Compensatórias a servidores da Secretaria de Estado de Saúde do DF. Com a decisão, o deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), anunciou que deve atuar junto ao Executivo, para tentar garantir a manutenção do benefício aos servidores da Secretaria de Estado de Saúde do DF.

Em um áudio compartilhado em grupos do Whatsapp, Vianna explicou que a Lei, oriunda de Projeto de Lei da então ex-distrital, atualmente deputada federal, Celina Leão (PP), foi considerada inconstitucional pelo TJDFT, por vício de iniciativa, por ser prerrogativa do poder Executivo.

Isso porque ao assumir o mandato, Vianna ‘comprou a briga da Leoa’ pela derrubada do veto, por parte do ex-governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), ao Projeto de Lei (PL) nº 2.110/ 2018, que deu origem à Lei Distrital 6.279/2019, que estabelece as folgas compensatórias aos servidores da SES-DF, que trabalham nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), Centros de Atendimentos Psicossociais (CAPs) e do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU).

Porém, o deputado na ocasião, alertou sobre a possibilidade de a Lei Distrital, ser considerada inconstitucional, mas deixou claro que deveria atuar junto ao atual governador, Ibaneis Rocha (MDB), para que o Executivo encaminhe um novo PL, para apreciação da Câmara Legislativa do DF.

Vianna lembra que o benefício foi suspenso por Rollemberg, ainda em 2014, sob argumento que a Lei Distrital 3.320/2004, que reestruturou a carreira de Assistência Pública à Saúde, não contemplava os servidores do SAMU, UPAs e CAPs. Porém, como também enfatiza o deputado, tais serviços só passaram a existir, no DF, à partir de 2006.

“Como isso já foi amplamente divulgado e debatido, nós vamos trabalhar junto ao Executivo para que o governo faça essa alteração e ele mande o projeto para a gente votar.”, afirma Vianna.