Deputado Jorge Vianna visita colégio da Polícia Militar Fernando Pessoa, em Valparaíso de Goiás

601

Por Evely Leão

Após a publicação da Portaria Conjunta Nº 01 de 31 de Janeiro de 2019 que dispõe sobre a implementação do projeto piloto Escola de Gestão Compartilhada, e prevê a transformação de quatro unidades específicas de ensino da rede pública do Distrito Federal em Colégios da Polícia Militar do Distrito Federal, o presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura – CESC, deputado Jorge Vianna visitou algumas instituições de ensino que já aderiram ao Padrão Militar para entender o funcionamento na prática e poder avaliar o modelo.

O objetivo do deputado, com a visita, foi de ouvir mais pessoas envolvidas no processo para poder dar uma avaliação mais criteriosa e mais técnica.

Colégio IBE Premier 

Partindo desse objetivo, na manhã desta sexta-feira (08/02), o deputado participou da Solenidade de Início do Ano Letivo Padrão Militar do Colégio Ibe Premier, em Planaltina-DF, e conversou com os diretores da instituição sobre a militarização e a gestão pedagógica disciplinar.

De acordo com o diretor, a escola mudou o modelo no início deste ano, antes o colégio era particular e resolveu adotar a ordem unida, uma das atividades militares como parte do ensino, e obteve aprovação por parte dos pais dos alunos.

Colégio da PM/GO

Ainda hoje pela manhã, o deputado visitou o Colégio Estadual da Polícia Militar de Goiás Fernando Pessoa e conversou com a subcomandante, Tenente Andreia Ramos sobre o funcionamento do colégio. O deputado tirou dúvidas com relação ao ensino em um colégio de padrão militar e o relacionamento entre pais, alunos, professores e a polícia.

O Colégio da Polícia Militar de Goiás está subordinado à Secretaria de Segurança Pública por meio da PM/GO, através do Comando de Ensino Policial Militar, que é a unidade gestora de grande comando, tendo como parceira a Secretaria de Estado da Educação Cultura e Esporte – SEDUCE, por meio de um termo de cooperação pedagógico.

Os professores que ministram as aulas no colégio são civis, todos servidores da Secretaria de Educação, mas existe um militar que ministra uma aula específica da matéria relacionada a militarismo.

Segundo a Tenente, houve um avanço nas notas, de acordo com os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e, que os alunos estão mais aplicados, mais estudiosos e que foi uma mudança considerável.

“Aqui a gestão é exclusiva militar, diferente da proposta do DF que é de gestão compartilhada. Mas realmente o ambiente é diferenciado, é tranquilo, organizado e trouxe mais segurança para comunidade, é como se tivesse um batalhão de polícia na região”, afirma o deputado.

Um ponto que chamou a atenção foi a quantidade alunos que querem estudar no colégio, a procura por vagas é de 10/1 para determinadas séries, o qual é feito um sorteio, e na porta do colégio há uma placa com a mensagem: Não há mais vagas. Além disso, de acordo com a Tenente, muitos professores também querem trabalhar no colégio.

A instituição possui um Regimento Escolar, o qual define toda estrutura organizacional e gestão escolar, entre outros assuntos, como deveres e direitos dos alunos, regras quanto ao uniforme e continências, e é seguido à risca por todos os servidores, colaboradores e alunos da instituição.

No DF

O projeto piloto Escola de Gestão Compartilhada visa a colaboração entre a Secretaria de Estado de Educação e a Secretaria de Estado de Segurança Pública. O acordo prevê que a Polícia Militar participe da gestão administrativa e disciplinar das escolas escolhidas, atendendo a critérios de vulnerabilidades sociais, índices de criminalidade, de desenvolvimento humano e educação básica. As unidades de ensino que serão transformados em colégios militares são: Centro Educacional 03 de Sobradinho; o Centro Educacional 308 do Recanto das Emas; o Centro Educacional 01 da Estrutural e o Centro Educacional 07 da Ceilândia.

Confira o vídeo da visita aqui.