Deputado se reúne com Direção do Hospital Santa Marta para falar sobre as trocas de plantão

93
Reunião com o Hospital Santa Marta

Por Evely Leão

Após denúncia dos trabalhares do Hospital Santa Marta o deputado Jorge Vianna se reuniu, no final da tarde da segunda-feira (31/08) com a gerente de RH do Daniely Zaranza do Hospital Santa Marta e a gerente de enfermagem Gisele Magnan também do hospital para entender o que estava acontecendo.

Segundo as gerente do hospital, em 2010, o Ministério Público do Trabalho (MPT) havia feito um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) que determinava a não autorização das trocas de plantões em que houvesse uma ampliação de jornada diária, ou seja, os trabalhadores não poderiam dobrar o plantão. No entanto, em 2017, o Hospital Santa Marta juntamente com o Sindate assinaram um Acordo Coletivo de Trabalho, no qual consistia em organizar as atividades particulares dos trabalhadores.

O sindicato, enquanto representante legal dos auxiliares e técnicos em enfermagem, se comprometeu em fazer com que essa troca fosse feita de forma justa sem prejudicar o patrão e o trabalhador, e a troca passou a ser feita. De acordo com o Acordo Coletivo de Trabalho, o empregado que trabalhava em regime de plantão poderia, justificadamente, solicitar até duas trocas por mês sem que houvesse prorrogação de plantão e desde que formalizasse e colhesse autorização da chefia imediata, com pelo menos 24h de antecedência.

À época em que foi firmado esse acordo, o deputado ainda militava no movimento sindical, fazia parte da direção do Sindate e participou da negociação. Porém, mesmo com o Acordo Coletivo de Trabalho feito entre os sindicatos e o hospital, ainda assim o Ministério Público quer que agora seja feita a execução desse TAC, não reconhecendo o acordo entre o hospital e os sindicatos, pois esse acordo não foi feito apenas entre o Sindate e o Santa Marta, mas também com outros sindicatos.

A direção do Hospital Santa Marta se mostrou preocupada em ter que cumprir a determinação do Ministério Público, no entanto, o deputado se comprometeu em fazer essa intermediação com o MPT para tentar garantir essas trocas em definitivo e não irá medir esforços para poder resolver esse problema no Hospital, bem como em toda a rede privada, uma vez que não é só o Santa Marta que passa por problemas na troca de plantão.

“É inadmissível que no momento mais crítico que os trabalhadores da saúde estão passando, principalmente, os profissionais da enfermagem, não possa ser permitido que esses empregados façam suas trocas, quando muitas vezes essas são necessárias, sejam por quais motivos, até mesmo para um descanso maior. Irei fazer o que estiver ao meu alcance para tentar resolver esse problema”, afirma o deputado.