Jorge Vianna fiscaliza preços de combustíveis após receber denúncias em Brazlândia

184

Para constatar preços altos, deputado pesquisou valores praticados em 26 postos de combustível em 13 regiões administrativas

Por Kleber Karpov

Durante a semana, após receber denúncias do preço do combustível em Brazlândia, o deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), membro da Comissão de Defesa do Consumir da Câmara Legislativa do DF (CLDF), visitou os postos da Região Administrativa (RA), e fez um apanhado dos valores praticados, também, nas principais RAs do DF.

Em Brazlândia, em dois postos de combustíveis visitados por Vianna, os valores eram de R$ 3,99 e R$ 3,89 respectivamente. Os preços, são os mais altos entre um total de 26 em 13 RAs do DF.

A população de Brazlândia, ao pagar R$ 3,99 no litro de gasolina comum, pagam mais caro que valores cobrados, por exemplo, a postos de combustíveis de Águas Claras e de Planaltina, ambos com valores encontrados de R$ 3,89, que praticam preços 2,50% mais baratos.

No entanto, das 13 RAs pesquisadas, foi possível encontrar postos de combustível com valores mais baixos, nas cidades de Taguatinga a R$ 3,35, no Setor de Oficinas Norte (SOF Norte), a R$ 3,39 e, também em Águas claras a R$ 3,47.

Custos médios

A média de preços dos combustíveis, dos locais pesquisados nas 13 RAs foi de R$ 3,60. No entanto, em médias levantadas por regiões, Brazlândia com custo médio de R$ 3,94, superou os cinco pontos pesquisados em Samambaia com valor de R$ 3,59, que se iguala a outros três postos de Sobradinho/Planaltina, 8,88% mais baratos. Ou ainda de seis pontos na região de  Águas Claras/Recanto das Emas de R$ 3,54 (10,15%) ou ainda, quatro postos de Taguatinga/Ceilândia de R$ 3,48 (11,67%).

Dados da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílio 2018 (PDAD-DF), a mais recente realizada pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), apontava a RA Brazlândia na 21ª posição, com renda per capta, à época de R$ 1.118,90. Se comparada a outras RAs, esse valor equivalente a 13,45% do Lago Sul (R$8.317,40), 25,38% de Águas Claras (R$ 4.407,50), 82,80% de São Sebastião (1.351,20) e 98,13% de Planaltina (R$ 1.140,20).

Para Vianna, sobretudo em tempo da pandemia do coronavírus (Covid-19), o tabelamento dos preços dos combustíveis é algo a ser combatido. O Parlamentar pede bem senso, aos empresários, sobretudo quando atende uma população majoritariamente, de baixa renda.

“Lá em Brazlândia pude verificar que os preços estão realmente mais altos que nas demais regiões administrativas que apuramos. Os moradores contam apenas com três postos de combustível, o que facilita aos proprietários tabelarem os valores. E com isso, a população é quem sai prejudicada pois o posto mais próximo fica em Ceilândia e, abastecer em Goiás, no caso em Águas Lindas de Goiás, fica mais caro.”, Explicou Vianna.