Após destinação de recursos Jorge Vianna participa de inauguração de escola em Samambaia

110

Na CLDF Vianna falou sobre satisfação de entregar benefício à população e alertou para tentativas de ‘golpes na praça’

Por Kleber Karpov

Na manhã de quarta-feira (4), o deputado distrital, Jorge Vianna (Podemos), participou da inauguração, simbólica, do Centro de Ensino Fundamental (CEF) 507, na Região Administrativa (RA) Samambaia. A tarde, na tribuna da Câmara Legislativa do DF (CLDF), o parlamentar falou sobre a experiência de ver, do ponto de vista prático, as emendas destinadas se materializarem em benefício da população.

Vianna observou que, embora a colaboração de emenda fosse de apenas R$ 50 mil, por ter ajudado outras unidades de ensino no DF, o parlamentar demonstrou a satisfação por participar da inauguração da escola.

Jorge Vianna durante inauguração do CEF 507 de Samambaia – Foto: Wilter Moreira

“É muito bom ver uma coisa nascendo, crescendo e dando fruto. Embora seja uma obra pequena por ser apenas R$50 mil, pois tive que ajudar várias escolas, mas foi a primeira inauguração. Hoje posso dizer que estou bem que sou um deputado mais forte, por conseguir fazer isso.”, disse Vianna.

Carteirada

Vianna alertou ainda sobre ‘carteiradas’ aplicadas por pessoas mal-intencionadas, que se utilizam de nomes de parlamentares para tentar obter vantagens pessoais. Tem muita gente andando por aí, falando em nome de deputado, que conhece deputado. Como eu sou da saúde, tem muita gente que fala: – olha eu sou amigo de deputado Jorge Vianna, me consegue uma consulta.”, disse ao ao condenar a prática. “Estamos de olho. Eu converso com os diretores e não mando recado.”.

Fiscalização

Jorge Vianna no CEF 507 de Samambaia – Foto: Wilter Moreira

O deputado também falou da importância da fiscalização, quanto a utilização das verbas públicas. “Hoje mesmo eu vi na obra [do CEF] que tem tinha um pequeno defeito e pedi para refazer pois eu vi que estava errado. E não sou bobo, sei quanto custa uma cobertura e um saco de cimento. Então não tem esse negócio do o camarada dizendo que uma obra custa, R$ 70 mil, R$ 100 mil, R$ 200 mil e eu sei que custa R$ 30 mil. Então vamos ficar de olho e fiscalizar.”, sugeriu Vianna.